Publicado em

Você conhece todos os tipos de Mediunidade?

Tipos de Mediunidade

No último post explicamos o que é e porque desenvolver a mediunidade. Mas existem vários tipos de fenômenos mediúnicos que vão desde os mais sutis até os de efeitos físicos. 

Existem fenômenos considerados paranormais e outros realizados por espíritos. Um fenômeno mediúnico só pode assim ser considerado apenas quando uma entidade espiritual realiza algo através de um encarnado, um mediador.

Quando um espírito realiza uma ação direta na matéria, devemos chamar de fenômeno espiritual ou poltergeist. E quando um encarnado realiza uma ação diretamente no lado espiritual, devemos chamar de fenômeno anímico ou paranormal.

Todos esses processos caminham em conjunto, se misturam e seria infrutífero tentarmos definir ou limitar suas manifestações. Para fins didáticos vamos dividi-los em três tipos:

Fenômenos a partir do Médium

Telepatia: faculdade em que o médium recebe imagens ou pensamentos emitidos por um encarnado ou desencarnado. Pode ser confundido com intuição mas na verdade é “perceber” uma informação produzida por outra pessoa e não trazida pela sua conexão divina.

Clarividência no Ambiente: Visão extrafísica onde o médium percebe fatos ocorridos no local.

Clarividência no Espaço: Visão extrafísica onde o médium vê cenas, objetos, sinais ocorridos em um local diferente do que está.

Clarividência Direta: Visão extrafísica com olhos abertos, sobreposta às informações físicas.

Clarividência Indireta: Visão extrafísica com olhos fechados, dentro da mente como uma imaginação, deixando o físico em segundo plano.

Clarividência Arquetípica: Visão extrafísica de cenas ou imagens que representam algo, que trazem uma informação que ainda precisa ser interpretada metaforicamente, como uma tradução. A visão é apenas uma representação de sentimentos ou condições reais.

Clariaudiência: Audição extrafísica onde o médium ouve, com seus ouvidos, vozes e sons emitidos por espíritos. Os sons podem prover do local onde o médium está (clariaudiência no ambiente) ou de lugares distantes (clariaudiência no espaço).

Claricinestesia: Sensibilidades extrafísicas correspondentes ao tato, olfato e paladar. É a capacidade de sentir presenças sem vê-las ou qualquer outra perturbação energética. Em casos extremos pode gerar arrepios, dores chegando até a apresentar hematomas visíveis no corpo físico (somatização).

Psicometria: É a capacidade de ver, ouvir e sentir informações extrafísicas quando o médium toca, por exemplo, um objeto relacionado ao caso que deseja pesquisar. A partir do toque, o médium passa a receber informações que estejam impregnadas no objeto.

Premonição em sonho: Capacidade de acessar fatos que ainda não ocorreram mas tem forte potencial de realização durante o sono.

Premonição em transe: Capacidade de acessar fatos que ainda não ocorreram mas tem forte potencial de realização enquanto o médium está acordado, apenas em estado alterado de consciência.

Regressão: Capacidade de ver o passado. Acessar fatos ocorridos com você ou com outro. Pode acontecer durante o sono ou em transe.

Déjà Vu: Sensação de já ter experienciado aquele momento. O termo é uma expressão francesa que significa literalmente “Já visto”. Às vezes esse fenômeno pode ser despertado pela semelhança com situações ocorridas em vidas passadas.

Desdobramento Inconsciente: É um processo natural de exteriorização do espírito, um distanciamento entre o corpo físico e o espírito. Ocorre durante o sono, quando há condições favoráveis à saída do espírito. Ao retornar, todas as informações adquiridas nesse processo ficam guardadas em nosso subconsciente. 

Desdobramento Consciente: Processo natural de exteriorização do espírito, realizado por vontade do médium. Quando o espírito retorna, as lembranças permanecem no consciente. 

Desdobramento Mental: Projeção apenas do Corpo Mental, realizado por vontade do médium. Quando o espírito retorna, as lembranças permanecem no consciente. 

Desdobramento Astral: Projeção apenas do Corpo Astral, realizado por vontade do médium. Quando o espírito retorna, as lembranças permanecem no consciente. A interação com o lado espiritual é mais intensa.

Intuição: Percepção de uma verdade vinda diretamente da ligação entre o médium e Deus através do seu Eu Superior.

Fenômenos Mistos

Incorporação Semi-consciente: Fenômeno onde o espírito do médium é levemente afastado do seu corpo físico enquanto a entidade espiritual se conecta ao corpo do médium através de seus chakras e passa a usar com menor liberdade os recursos dos aparelhos físicos. O médium fica em semi-transe.

Incorporação Inconsciente: Fenômeno onde o espírito do médium é totalmente afastado do seu corpo físico enquanto a entidade espiritual se conecta ao corpo do médium através de seus chakras e passa a usar com total liberdade todos os recursos dos aparelhos físicos.

Telementação: Incorporação no Corpo Mental do médium. A entidade coloca a mente do médium em estado de inconsciência ou semi-consciência e exerce domínio sobre os campos físicos e psiquicos.

Psicografia Direta: Incorporação parcial de manifestação escrita. Onde o espírito comunicante utiliza-se do braço e mão do médium.

Psicografia Indireta: Realizada por um processo telepático em que as palavras passam pela mente do médium que as escreve.

Psicofonia: Semelhante a  Psicografia, porém o espírito utiliza-se da garganta e boca do médium ou passando informações mentais.

Pintura Mediúnica: Prática de incorporação em que o médium não possui necessariamente as habilidades trabalhadas pelo espírito.

Transfiguração: Trata-se de um recurso utilizado pelos espíritos que adormece e desliga parcialmente o corpo denso, relaxando centros nervosos e tecidos orgânicos, fazendo alterações no aspecto físico do médium, impondo sua forma astral.

Fenômenos de Ação Direta

Levitação: Fenômeno de pessoas ou coisas serem erguidas ao ar, sem auxílio exterior de caráter material. Na realidade, através de ações espirituais, o objeto é envolvido por fluídos pesados isolando-os do ambiente físico e das ações da gravidade.

Materialização: Trata-se do deslocamento físico de objetos dentro de um ambiente ou para fora dele. Procede-se uma desmaterialização no ponto de origem e rematerialização no ponto de chegada.

Tiptologia: Batidas ou sinais como movimentação de objetos como sinalização da presença de espíritos, como o Tabuleiro Ouija.

Ectoplasmia: Condensação de ectoplasma e fluído espiritual para aparições.

Voz Direta: Ao invés de falarem através de médiuns ou utilizar telepatia, os espíritos emitem sons através de um aparelho vocal produzido através da ectoplasmia.

Aqui na Casa de Miguel buscamos auxiliá-los a desenvolver esses principais fenômenos anímicos e mistos em cursos e vivências para nos tornarmos cada vez mais empoderados de nossas forças e assim compreender o universo à nossa volta.

Publicado em

REACT Divertida Mente

ATENÇÃO, ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS!

Mais um da categoria de filmes “nada infantis” da Pixar, hoje vamos falar sobre o filme Divertida Mente (Inside Out, em inglês). O longa foi lançado na metade de 2015 e foi aclamado pela crítica recebendo 97 prêmios! Entre eles um Globo de Ouro e um Oscar.

Como já visto em outros filmes, o Divertida Mente trata de assuntos para adultos, como o amadurecimento das emoções, inseridos em situações cotidianas.

O filme faz uma imersão no desenvolvimento de um ser humano e aborda questões emocionais trazendo conceitos sobre neurologia e psicologia. E relacionando com o que aprendemos aqui na Casa de Miguel, é gatilho puro para expansão do nosso autoconhecimento.

A princípio é retratada a história de Rilley, uma garota de 11 anos que enfrenta uma série de mudanças em sua vida. A principal delas foi sair de sua cidade natal, no estado de Minnesota (EUA), para morar em São Francisco. O enredo se desenrola dentro da cabeça da menina, onde cinco emoções – Alegria, Tristeza, Nojinho, Medo e Raiva – são responsáveis por processar as informações e armazenar as memórias.

No contexto do filme podemos tirar algumas conclusões.

As memórias são fixadas pelas emoções

Durante o filme, as cinco emoções acompanham tudo o que acontece com Rilley. Os principais eventos do dia são guardados em esferas, que representam as memórias. Cada uma delas tem uma cor que está relacionada com o sentimento que esteve presente no acontecimento. 

Isso corrobora com a percepção de que as lembranças são fixadas no cérebro junto com o estado emocional e com a forma que reagimos ao fato. Tanto que cada pessoa interpreta o mesmo fato de maneiras diferentes, pois depende do que cada um sentiu no momento registrado. 

Não existe sentimento melhor ou pior

Apesar de preferirmos os momentos alegres de nossa vida, cada emoção tem a sua importância e é necessário saber usá-las da melhor forma possível diante dos desafios.

A tristeza também é necessária

A personagem Alegria tenta a todo momento ignorar e afastar a Tristeza e isso reflete a forma como a maioria das pessoas compreendem a vida. Como se precisassem estar felizes o tempo inteiro ao invés de trabalhar um equilíbrio e aceitação de todas as emoções que sentimos. A vida precisa de todas as emoções. 

O medo e o nojo são primordiais para nossa sobrevivência

Esses dois sentimentos nos livram de enrascadas. O medo nos desperta a segurança e o nojo desperta autopreservação (física ou social).

A raiva impede injustiças

Gritar não é a solução dos problemas, mas ouvir a raiva é externar indignações com o impulso de corrigir eventuais injustiças. 

Memórias podem ser apagadas

É natural que certas recordações sejam esquecidas com o passar dos anos. Pequenos detalhes que não são utilizados. No filme, essas esferas vão parar num lixão até que virem poeira. 

Subconsciente é um esconderijo

Sendo consciente ou não, levamos nossos medos e traumas para um lugar específico de nossa mente onde guardamos tudo o que pode nos causar problemas.

Suas memórias e experiências define sua personalidade

Algumas recordações são de extrema importância pois determinam boa parte de nossas personalidades. No filme são chamadas de memórias base e cada uma delas define parte do caráter de Rilley. E esquecê-las pode ocasionar uma desconexão com quem você é.

Depressão é desconexão

A depressão inicialmente é uma ressignificação negativa de acontecimentos passados. Ou seja, passamos a interpretar o passado como algo doloroso para nós, como se o presente fosse inferior qualitativamente. 

Temos que aprender a sentir, perceber e aceitar. Compreender porque aquela emoção “apareceu” e ter sensibilidade para lidar com o motivo. Dessa forma você passa a ter controle emocional porque não ficará sofrendo ou remoendo uma emoção. Você identifica e age (mesmo que a ação seja se permitir chorar ou tirar um dia off dos problemas).

Assista também o React de Divertidamente pelo FacebookInstagram e Youtube! Todo mês analisaremos um filme novo, não deixe de acompanhar!

Publicado em

Conheça o Mistério da Cura com Plantas de Poder

Plantas de Poder

A cura com plantas de poder, ou herbalismo, se fundamenta nas relações entre reino vegetal e humano; reino vegetal e planeta; e ser humano e planeta. Fazer uso das ervas para tatar a saúde e curar-se significa participar de forma equilibrada de um ciclo ecológico. 

Somos parte de um todo admiravelmente interligado. E podemos embasar esse conceito nas sete leis definidas pela Sabedoria Hermética, a primeira é a Lei do Mentalismo, segundo a qual o universo é Mente. Um universo de inteligência viva, pois toda a criação existe e teve início como uma ideia na consciência divina.

A segunda Lei é a da Correspondência. Onde tudo no universo tem um “par”. Como o em cima, assim o embaixo, como no macro, assim no micro. Assim, é possível sustentar que todos os desequilíbrios presentes no organismo físico possuem correspondência energética. 

O herbalismo se apresenta como um extraordinário campo para a cura natural. Nesses tempos de substâncias e medicamentos químicos, as plantas de cura são um caminho para um tratamento seguro que respeita a unidade da vida.

A cura holística se dedica aos aspectos físicos, mentais e espirituais do ser humano. Enxergando o todo e não somente os sintomas. A saúde é algo positivo que deve ser cuidado para ser mantido e não simplesmente a ausência de doença.

E também enfatiza a singularidade do indivíduo e a importância de adaptar o tratamento para atender as necessidades de cada um. 

Podemos usar ervas de modo livre e seguro como um hábito saudável, um recurso para a expansão da  consciência e reconhecimento do seu corpo. 

As ervas não somente atuam no corpo físico pelas suas propriedades químicas mas também no corpo energético porque elas próprias possuem sua contraparte energética. Elas agem para integrar e equilibrar funções fisiológicas e para aumentar a vitalidade inata ao fornecer energia. 

As plantas são fontes de ingredientes ativos, substâncias químicas que podem ser analisadas, sintetizadas e utilizadas na forma de medicamentos potentes.

O corpo é, em sua essência, de natureza bioquímica, de modo que quando algo está errado, isso acontece em nível químico e molecular. Para que o organismo volte a funcionar de forma plena, precisam acontecer interações químicas, sem elas naturais do próprio corpo ou intencionais. 

Em síntese, as plantas possuem a capacidade de operar por meio de interações  bioquímicas específicas com o organismo, ampliando os processos vitais do corpo.

Quando possuímos conhecimento para compreender as propriedades dessas ervas e manejá-las podemos dizer que estamos fazendo Magia Natural. Se você tem interesse em conhecer as propriedades das ervas, conheça os nossos cursos e apaixone-se pelo o que podemos fazer com as forças do planeta Terra.

Publicado em

Cura Energética com Cristais

Cura com Cristais

A Cura com Cristais é uma das técnicas das terapias alternativas que utiliza pedras semipreciosas ou cristais como quartzos e ametistas, valendo-se das propriedades metafísicas delas.

Metafísica significa “para além do físico” em grego antigo. É o estudo dos fenômenos físicos, relacionando-os com seus fundamentos sutis, partindo do princípio que a matéria é uma consequência de matrizes energéticas. Por exemplo, para cada doença existe uma causa emocional ou energética.

Cristais foram usados por toda a história como fonte de poder e cura. Os poderes metafísicos dos cristais nunca foram mistérios para culturas antigas como egípcios, maias e sumérios que regularmente adornavam seus corpos com jóias que tinham essas pedras sagradas, e também as utilizavam para alinhar, limpar e transformar suas energias e saúde.

Os povos orientais seguem utilizando as incríveis propriedades curativas dos cristais e das pedras preciosas, felizmente estas técnicas também estão sendo inseridas na cultura ocidental com o crescente interesse sobre esses poderes além de seu uso em produtos farmacêuticos.

Pesquisas sobre a estrutura do átomo revelaram que tudo em todo o nosso universo é composto de energia. Mesmo objetos sólidos, como uma peça de mobília ou o cabelo, são apenas diferentes estruturas de vibrações energéticas. Pode não parecer, mas os cristais e as células do seu corpo são constituídos pelo mesmo tipo de energia.

Os cientistas já descobriram como usar essa energia inerente aos cristais para diversas finalidades, como usar pequenos cristais de quartzo em componentes eletrônicos para seu relógio, computador e smartphone. 

Quer você perceba ou não, as propriedades energéticas dos cristais já são amplamente utilizadas na tecnologia moderna. Nós até usamos cristais em nossos medicamentos, muitos produtos farmacêuticos são feitos pela moagem de minerais que se formam dentro de cristais.

Embora nossa cultura tenha vários usos para os cristais, negligenciamos seu uso na cura energética. É possível contribuir na cura de diversas maneiras. A escolha dos diferentes cristais e pedras também amplia a variedade de tratamentos para diferentes situações da vida.

Assim como os ímãs usam energia para atrair ou repelir, os cristais de pedras curativas usam a energia da mesma maneira. Quando você coloca certos cristais sobre certas partes do seu corpo, sua energia se transforma, vibra, pulsa, se move e muda de acordo com as propriedades e a assinatura energética do cristal.

Existem essencialmente três maneiras principais de cura com cristais que podem transformar sua energia e resolver o desequilíbrio:

Limpeza – Os cristais têm a capacidade de absorver e remover certos tipos de energia do seu corpo. Como um ímã pode pegar pequenos pedaços de metal, um cristal de cura pode absorver a energia negativa do seu corpo.

Energização – Cristais e pedras também podem colocar energia em seu campo através da indução de frequências ressonantes. Isso é semelhante à maneira como a eletricidade funciona, conduzindo e transferindo energia para um objeto. Um cristal pode aproveitar a energia do campo quântico e enviá-la para o seu campo de energia.

Balanceamento – A energia do nosso planeta alinha as coisas em um padrão espelhado simétrico. Às vezes, sua energia pode estar desalinhada e os cristais de cura podem usar suas propriedades, que são essencialmente atraentes e repelentes, para equilibrar áreas de desarmonia energética.

Como cristais e pedras absorvem, repelem e transmitem energia, usar certos cristais de cura pode ajudá-lo a equilibrar seu campo de energia ao longo do dia. Pense nos cristais que você usa como uma vitamina. Ao tomar a vitamina, você nutre seu corpo. Colocar suas jóias de cristal pela manhã ou colocar certas pedras no bolso é como tomar sua vitamina diária em um nível energético.

E ainda dá para intensificar esse tratamento! Aqui na Casa de Miguel temos diversos cursos que ensinam as propriedades de cada cristal. E também como ancorar outras energias em cristais, como dos Arcanjos ou Orixás, para amplificar a capacidade e potência da energia natural.

Publicado em

Afinal, você sabe o que é Mediunidade?

o que é mediunidade

Para começar esse papo quebrando um tabu, a mediunidade é inerente ao ser humano. Em outras palavras, todos os seres humanos têm mediunidade em sua natureza. 

Mediunidade é um conjunto de faculdades sensitivas que colocam o indivíduo em contato com o plano espiritual e sutil. Agora, vamos pensar… Todo o ser humano possui um espírito, ouve, percebe e sente uns aos outros. 

Logo, todos nós temos essas capacidades. O único porém é que, quando desencarnados, vibramos numa frequência diferente de quando estamos encarnados. E conseguir sentir e perceber essa outra frequência é o que nos caracteriza como médiuns.

Médium, então, um intermediário, um instrumento de comunicação segundo a natureza. Médiuns são canais de comunicação entre o plano físico e os planos espirituais.

Desenvolvimento Mediúnico

Desenvolver a mediunidade significa aprender ou aprimorar as faculdades mediúnicas que cada um já tem a sua disposição e até treinar novas habilidades.

Podemos desenvolver essa mediunidade à medida que evoluímos e nos corrigimos perante as Leis Divinas, aumentando nossas percepções. Ou quando somos incubidos de uma tarefa que assumimos nos planos espirituais.

Independente da forma, quando atuamos como médiuns, somos plenamente responsáveis por tudo o que fazemos. Estamos comprometidos a auxiliar nossos irmãos e também a nós mesmos.

Quando mais nos aprofundamos na nossa própria mediunidade, deixamos as ilusões de lado e passamos a nos dedicar ao que realmente importa. Começando pelo entendimento de nossa natureza, que é essencialmente espiritual e não material. Até a compreensão de nossa missão pessoal.

Tipo de Mediunidade

Temos uma gama grande de fenômenos mediúnicos que vão desde os mais sutis até mesmo aos de efeitos físicos. Vamos abordar a mediunidade de um ponto de vista prático. 

Existem então fenômenos considerados paranormais e outros realizados por espíritos. Um fenômeno mediúnico só pode assim ser considerado apenas quando uma entidade espiritual realiza algo através de um encarnado, um mediador.

Quando um espírito realiza uma ação direta na matéria, devemos chamar de fenômeno espiritual ou poltergeist. E quando um encarnado realiza uma ação diretamente no lado espiritual, devemos chamar de fenômeno anímico ou paranormal.

Aqui na Casa de Miguel buscamos auxiliá-los a desenvolver esses principais fenômenos em cursos e vivências para nos tornarmos cada vez mais empoderados de nossas forças e assim compreender o universo à nossa volta.

Publicado em

REACT: Vida Após a Morte

Vida Após a Morte Netflix

ATENÇÃO, ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS!

A série Vida Após a Morte (em inglês Surviving Death) está disponível na Netflix desde janeiro de 2021. É um documentário sobre experiências, crenças e experimentos tentando desvendar os mistérios do pós-morte e da mediunidade.

Um dos fatores que mais chama a atenção e ao mesmo tempo reconforta é que, em nenhum momento a produção é absurda, mórbida ou assustadora. A série realmente tenta responder a uma das dúvidas mais antigas da humanidade: o que acontece quando morremos.

A Vida Após a Morte , que é baseada em um livro best seller assinado pela jornalista Leslie Kean, conta com entrevistas com cientistas, médiuns e psiquiatras para investigar e tentar encontrar explicações e razões para as famosas experiências espirituais.

Além da própria jornalista, o documentário traz pesquisas inovadoras com relatos de médiuns, médicos, pesquisadores (científicos ou não) e pessoas reais que vivenciam essas experiências.

A produção conduz os espectadores em uma viagem extraordinária por um mundo além da existência humana que conhecemos, confrontando a mortalidade. O que nos leva a um caminho para explorar a possibilidade de que a consciência possa viver depois que o corpo morre. 

No episódio inicial, o debate é sobre as experiências de quase morte e de pessoas que morreram e, após uma intervenção médica, conseguiram voltar à vida. O estudo desse caso vem sendo o centro de pesquisas de médicos do mundo todo, que relatam as mesmas visões experienciadas por todos os pacientes.

A questão, portanto, é a dificuldade da continuidade de estudo, sendo que o que os pacientes presenciaram aconteceu após o cérebro já ter parado o seu funcionamento.

É interessante como a produção traz personagens que, mesmo presenciando essas questões, seguem com a falta de crença, mostrando ser algo que está além do entendimento humano.

Nos outros episódios, ressaltando mais uma vez que sempre há o envolvimento de médicos, pesquisadores e da ciência em um geral, vemos também a morte sendo retratada com a existência de médiuns, que fazem a intermediação entre a pessoa falecida, os familiares e amigos.

E vemos também casos de crianças que, antes mesmo dos cinco anos de idade, começam a relatar quem eles eram nas outras vidas, dizendo informações extremamente precisas e impossíveis de serem do conhecimento de alguém com tão pouca vida. E que inclusive os pais e pesquisadores comprovam as informações trazidas por essas crianças através de pesquisas e contatos com a “antiga família”.

A produção não tenta forçar ao espectador uma verdade absoluta, mas aborda dados que, mesmo com provas, deixam a questão em aberto para que cada um tire as suas próprias conclusões.

Contudo, sabemos que a vida não acaba com a nossa morte carnal. A morte é apenas um fenômeno biológico, nosso espírito é imortal. Somos seres em constante evolução e nos encontramos nesse momento num ciclo encarnatório.

Os seres humanos estão no processo de reencarnação para acelerar o contato com todas as experiências que precisam ter para evoluírem. Já que o objetivo é elevarmos nossa consciência e nos juntarmos a Deus, é necessário sentirmos na pele todos os lados de todas as moedas.

Em outras palavras, é vivenciarmos de fato todos os problemas, realidades, dores e prazeres que um ser humano pode ter e assim termos empatia e conhecimento para ajudar o próximo.

Para finalizarmos, o mais gratificante de tudo é a forma na qual esses assuntos são retratados na série, pois não passam medo, pânico ou terror. Tratando a morte como algo que não deve ser temido e traz esperanças de que a vida não acaba a partir do momento em que o corpo para de funcionar.

Assista também o React de Vida Após a Morte pelo FacebookInstagram e Youtube! Todo mês analisaremos um filme novo, não deixe de acompanhar!

Publicado em

Você conhece os Seres Encantados?

Sim, os Seres Encantados existem! São seres que possuem uma relação de amor profundo com a natureza. Eles estão em uma dimensão diferente da nossa, em um “planeta” só deles.

Entende-se que estes seres são manifestações espirituais. Criaturas que utilizam magias naturais para moverem ações diversas. Encantados são entidades que possuem uma força proveniente da natureza e por isso, são parte dela.

Essas entidades, que nunca tiveram forma humana, são seres com processo evolutivo diferente do nosso. Eles são protetores e trazem consigo o poder de cura, todavia podem também punir para doutrinar os humanos que, de alguma maneira, perturbam o equilíbrio do planeta.

Eles se conectam com a Terra por meio de sintonização energética e equalização das frequências, que possibilitam que eles venham para nossa dimensão e atuem aqui.

Eles entram em contato com pessoas que possuem sensibilidade para detectar sua existência, e podem ajudar ou interferir em uma grande variedade de questões em nosso plano físico.

Por se tratar de fadas, gnomos, gênios, dragões, etc, são seres que estão ligados a nossa criança interior, ao nosso lado lúdico, pensamentos e sonhos mas que acabamos nos desconectando ao longo do tempo. 

Portanto, desenvolver uma conexão com eles é extrema importância para trabalharmos com nossas dores, medos e traumas, principalmente os que marcaram nossa infância. 

E podemos nos conectar com eles quando sintonizamos na frequência deles, nos abrindo para essa troca. Aqui na Casa de Miguel temos diversos cursos e vivências em que você poderá conhecer mais sobre os mistérios desses seres graciosos e aprender a se conectar com eles. 

Publicado em

Os Orixás – Forças do Universo

Antes de mais nada queremos estabelecer que a visão sobre os Orixás que traremos aqui não está associada a nenhuma religião mas sim, a natureza energética deles. Infelizmente no Brasil ainda existe muito desrespeito entre membros de religiões e pedimos que aqui apenas apreciemos as energias divinas que nos amparam em nosso desenvolvimento. 

Orixás são forças divinas que auxiliam na organização, nutrição, amparo e manutenção das dimensões humanas. Os Orixás são condensações energéticas naturais que vibram e irradiam do universo para o planeta Terra.

A energia deles se manifesta em ambientes naturais, integrando suas forças às de Gaia. Essa integração reconhecemos como os pontos de força da natureza. 

Os Orixás não são e nem foram seres humanos. São seres naturais que se materializam e “encarnam” como parte da natureza.

São fontes geradoras de energia divinas que não possuem corpo físico. Cada vibração, cada Orixá, tem suas qualidades e características que somos capazes de perceber e diferenciar.

Essa energia que recebemos deles é forte, pura e elemental, por isso associamos suas forças aos sete elementos. Percebemos uma vibração mineral das rochas que chamamos de Xangô, aquática do mar que chamamos de Iemanjá, dos rios de Oxum, vegetal das matas de Oxóssi e assim por diante.

Cada uma dessas forças sustenta uma parte da criação. Os Orixás têm missão conjunta com Gaia, que sustenta e ampara a evolução humana.

Então, como os Orixás não são seres humanos e não possuem a mesma estrutura que nós, não podemos incorporá-los e sim manifestar suas energias.

Porém, ao conhecermos e nos iniciarmos em seus mistérios, somos capazes de aprender a manipular essas energias naturais. Quem maneja esses mistério é reconhecido como Guardião.

Você pode conhecer mais sobre os mistérios de cada Orixá e se tornar um Guardião com os cursos da Casa de Miguel. Magia dos Orixás é uma linha de estudos e iniciações que contém 16 níveis, cada um com 2 meses de duração cada. Conheça os cursos e se torne um Guardião.

Publicado em

Como acontece a incorporação?

Antes de mais nada precisamos lembrar que existem muitas frequências, dimensões e planos no universo. Nós, como seres encarnados na Terra, estamos em um desses planos e existe a troca de informações entre o nosso e todos esses outros planos.

Um modo de acontecer essas trocas, conversas e interações é através dos médiuns. Médiuns são pessoas que são meios, canais para transportar informação. A mediunidade é uma faculdade sensitiva, conseguir sentir os planos sutis. A mediunidade não é um dom, é uma capacidade que pode ser aprendida, adquirida, treinada e trabalhada.

Um médium é como um jornal ou revista, um meio onde a informação se manifesta. Se você é um canal que não tem informação, você não é um canal. Se existe uma informação sem um canal, a informação não existe. Então para o sistema funcionar, precisa-se desses dois fatores. 

É necessário ter um propósito, uma necessidade de passar uma certa informação. Porque e qual mensagem será passada ao incorporar, psicografar, entre outras formas de manifestar a mediunidade.

O médium é o instrumento para canalizar energias curadoras, amparadoras, punidoras, superadoras, conscientizadoras, inspiradoras e reveladoras. Médiuns são condutores de mensagens divinas. 

A incorporação é estar em profunda sintonia com outro espírito e, esse segundo, transferir uma mensagem para o corpo físico através de impulsos energéticos. Os chakras do espírito desencarnado se harmonizam e se conectam com os chakras do médium, assim o espírito consegue “controlar” o corpo do médium.

A incorporação pode ser consciente, inconsciente e semiconsciente, a diferença entre eles é apenas o grau de afastamento que o espírito do médium fica de seu corpo físico.

Numa incorporação consciente, a sensação é de uma telepatia, onde as informações são passadas pelo cérebro e não ocorre o controle total do corpo físico.

Na incorporação semiconsciente, o médium fica “presente” em semi transe e o corpo fica à disposição do outro espírito.

Já na incorporação inconsciente o médium exterioriza-se por completo e o espírito passa a ter total controle sobre o corpo. Desta maneira, o espírito do médium fica consciente de tudo o que se passa no plano astral porém não recorda ou pouco se recorda dos acontecimentos quando regressa ao corpo físico.

Aqui na Casa de Miguel temos cursos que ensinam as técnicas para desenvolver e aprimorar a mediunidade. Se você sente esse chamado, clique aqui e conheça a Escola de Mediunidade I.